Busca

Carregando...

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Você é um androide ou uma ginoide?


Quem é obeso?

Esta pergunta pode ter duas interpretações. Uma delas, de caráter diagnóstico: “qual o limite entre uma pessoa não obesa e uma pessoa obesa” e outra, de cunho epidemiológico: “quantos obesos existem em um ou outro estrato populacional”.

Analisarei, por ordem, primeiro como determinar o limite entre pessoas normais e pessoas com obesidade. Isso permitirá uma interpretação mais clara dos resultados dos estudos populacionais.

Qual o limite entre uma pessoa obesa e uma pessoa não obesa?

O limite entre peso normal (peso da população associado à menor mortalidade para altura) é arbitrário, podendo haver diferenças entre as populações estudadas. Pode-se estabelecer basicamente dois tipos de diagnósticos (ou limites) frente a um paciente: um diagnóstico quantitativo, que se refere à massa corpórea ou à massa de tecido adiposo e um diagnóstico qualitativo que se refere ao padrão de distribuição de gordura corporal, que por sua vez é um forte indicador da presença de adiposidade visceral.

Diagnóstico quantitativo
Índice de massa corpórea (Já estudado em artigo anterior.
Na prática clínica o cálculo do índice de massa corpórea (IMC ou BMI, de body mass index), também conhecido por Índice de Quetelet, que é o peso (em kg) dividido pelo quadrado da altura (em m) é ainda o mais utilizado. O IMC tem cálculo simples e rápido, apresentando boa correlação com a adiposidade corporal.

O IMC, porém, apesar de ter uma acurácia razoável na determinação da presença ou do grau de obesidade frente a inquéritos populacionais, apresenta alguns problemas quando utilizado individualmente no consultório. O IMC não é capaz de distingüir gordura central de gordura periférica, o IMC não distingue massa gordurosa de massa magra, podendo superestimar o grau de obesidade em indivíduos musculosos e mesmo edemaciados. De modo geral, esses problemas são facilmente contornados, uma vez que a inspeção e exame físico do paciente cabalmente denotarão se o aumento de massa deve-se a hipertrofia de musculatura ou edema. Como veremos adiante, algumas populações asiáticas apresentam aumento de adiposidade e agregam fatores de risco cardiovasculares mesmo na presença de IMC normal. Por isso, é necessário e prudente obter os limites entre subnutrição, peso saudável e os diversos graus de obesidade para cada população, particularmente frente a diferentes grupos étnicos que podem apresentar biotipo e conformação corpórea distintos.

Bioimpedância

A princípio aplicado apenas a nível experimental, mas que vem ganhando aceitabilidade na prática clínica, pelo desenvolvimento de aparelhos menores e mais baratos, a impedância bioelétrica de freqüência única é altamente precisa e de fácil utilização, permitindo avaliar com precisão a massa adiposa e a massa de tecidos magros. A impedância bioelétrica substituiu com vantagem o método da somatória da medida da espessura das pregas cutâneas que possui variabilidade inter e intra-examinador inaceitáveis. Aceitam-se como valores normais <25% de tecido adiposo para homens e <33% de tecido adiposo para mulheres.

A obesidade, além de provocar problemas estéticos sérios, é considerada uma doença severa, crônica e, até o momento, incurável, porém, controlável por ações médicas e nutricionais. Acometendo boa parte da população ocidental, com, caracteristicamente, super-oferta de alimentos calóricos e vida sedentária e competitiva, está sendo considerada uma pandemia que, junto com a depressão mental, vem sendo um grande desafio para a ciência neste início do terceiro milênio; de tal forma que o MiNISTÉRIO DA SAÚDE brasileiro determinou o dia 14 de outubro como o “DIA NACIONAL DE COMBATE À OBESIDADE”.

Inúmeras são as situações de doença relacionadas com a obesidade: dislipidemia (alteração no metabolismo do colesterol), erisipela, diabetes mellitus tipo 2, doenças osteoarticulares, pressão alta, arritmias cardíacas, trombose sistêmica e renal, tromboflebite superficial, apnéia obstrutiva do sono, colelitíase, câncer de mama, endométrio e ovário, câncer de esôfafo e estômago, hiperuricemia (gota), etc.

Ginoide X Androide
Dois são os tipos de obesidade: ginóide e andróide. A obesidade ginóide, mais comum entre as mulheres, tem, caracteristicamente a gordura concentrada nas coxas e nas nádegas, é chamada popularmente de obesidade em pêra. Já, na do tipo andróide, incidente mais nos homens, a gordura se localiza mais no abdomem, não superficialmente, mas entre suas vísceras, sendo conhecida como obesidade em maçã. Este último tipo de obesidade abdominal, até mesmo em um indivíduo com peso normal, está mais relacionada às doenças cardiovasculares e, portanto, é motivo de preocupação para os médicos, o que explica o porque, apesar das mulheres serem as maiores vítimas da obesidade, ela determine maiores prejuízos para os homens.

A relação da obesidade com a pressão alta é tão forte que, estima-se, 70% dos pacientes obesos hipertensos, deixam de sê-lo ao emagrecerem.

Pesquisas, demonstram ainda, que cerca de 40% dos homens que sofrem de ataques cardíacos e metade de mulheres com câncer de mama são obesos e que, de uma forma geral, os obesos tem, em média, seis anos a menos de vida, se comparados com a população geral.

Segundo a Associação Americana de Cardiologia, além do fumo, ausência de atividade física, hipertensão arterial, diabetes, dislipidemia, antecedentes familiares e sexo/idade, a obesidade é um fator de risco dos mais importantes, não só por si mas também por ser fator de risco para o desenvolvimento do diabetes, da dislipidemia e da hipertensão arterial (faça o teste de risco coronariano).

Apesar de incurável, a obesidade é passível de controle se você estiver estimulado e assitido por equipe profissional composta por 1 nutricionista (fisionutpaula@bol.com.br), 1 médico, 1 psicólogo, 1 professor de atividade física e um esteticista.

Para maiores esclarecimentos e um diagnostico mais realista e individual procure um nutricionista (fisionutpaula@bol.com.br)

2 comentários:

  1. oiii boa tarde eu sou ginoide o q eu façoo ?? diminoi de tamanhoo ou naoo ???

    ResponderExcluir
  2. eu sou um homem e tenho gorduras ginecoides, o que faço? eu gostaria de ter um corpo mais masculino, pois meus braços sao finos, e minhas coxas e bum bum sao grandes, me ajudem por favor, minha auto estima esta muito baixa, e estou angustiado, como posso proceder??

    ResponderExcluir